Agora não temos mais dúvidas dos perigos do Coronavírus. Assim como muitas pessoas, nós também não acreditávamos que este vírus seria algo sério como a mídia estava expondo, mas após o mundo todo entrar em colapso e estarmos vivendo agora em uma situação onde pessoas estão brigando por itens básicos como papel higiênico, podemos levar a sério esta doença (que já se tornou pandemia).

No momento em que escrevemos este artigo (15h do dia 20/03/2020) os números são assustadores:

  • 270,069 de casos em todo o mundo
  • 11,271 de mortes
  • 4,032 mortes na Itália
  • 654 casos no Brasil, com 7 mortes

Como tudo começou

Nós pesquisamos em muitos veículos de comunicação, e cada um diz uma coisa. O que tem acontecido muito é a divulgação de fake-news, e é justamente isso que combatemos aqui no Clube da Direita.

Então vamos aos fatos sobre como começou o Coronavirus:

No final de 2019 a Organização Mundial da Saúde soube dos primeiros casos de uma pneumonia com causa desconhecida que estava acontecendo numa cidade chinesa chamada Wuhan.

O Coronavirus é uma família de vírus que são conhecidas pelos cientistas, mas ninguém sabe dizer ao certo o quê causou a mutação do vírus que o transformou nessa pandemia.

Os primeiros a serem infectados pelo vírus tinham algum tipo de relação com um mercado local de frutos do mar, o que levantou a suspeita de que a infecção tinha relação com os animais. Ainda não existe a certeza de que, de fato, a transmissão ocorreu de um animal marinho, mas outros bichos entraram na lista de possíveis suspeitos, como cobras e morcegos.

O silêncio chinês

O governo chinês ficou quieto no início do surto e não alertou previamente as autoridades mundiais sobre os riscos dessa doença.

Há uma pesquisa realizada pela University of Southampton que diz que os casos de Coronavírus poderiam ter sido reduzidos em até 95% se a China tivesse agido ao invés de encobrir o surto.

Em apenas 4 dias (de 31 de Dezembro a 3 de Janeiro), mais de 44 pacientes foram diagnosticados com a tal pneumonia, e no dia 20 de Janeiro o vírus já tinha se espalhado para a Tailândia, Coréia do Sul e Japão, tendo um total de 282 confirmações.

Sintomas

Veja abaixo um comparativo feito pelo MBL que mostra as diferenças entre o COVID-19 e a gripe comum:

Fonte: Movimento Brasil Livre

Veja abaixo algumas perguntas comuns sobre o Coronavírus:

  1. É possível pegar o Coronavírus mais de uma vez?
    R: Existe um caso no Japão e outro na Itália onde os pacientes foram diagnosticados com o vírus do COVID-19 e após 1 mês da liberação do hospital foram diagnosticados novamente. Não há ainda uma confirmação científica, mas existe a possibilidade de acontecer.
  2. Por quanto tempo o Coronavírus sobrevive em uma superfície ou no ar?
    R.: Um estudo publicado na revista científica “New England Journal of Medicine” em 17 de março afirma que o coronavírus consegue sobreviver até 3 dias em algumas superfícies, como plástico ou aço. Já em papelão, o vírus pode ficar por até 24 horas, enquanto na superfície de cobre dura 4 horas e em poeiras, 1,1 hora.
  3. O Ibuprofeno é recomendado para tratar o COVID-19?
    R.: A Organização Mundial de Saúde (OMS) chegou a recomendar, em 17 de março, que as pessoas não usem ibuprofeno, substância encontrada em anti-inflamatórios, para tratar possíveis sintomas de Covid-19. Segundo a organização, o paracetamol é recomendado em casos suspeitos.

    No entanto, em 19 de março, a organização voltou atrás e retirou a restrição de uso desse tipo de medicamento. Apesar da mudança na orientação da OMS, o Ministério da Saúde segue recomendando que outros medicamentos sejam usados contra a doença. Em uma publicação em uma rede social após a OMS voltar atrás, a pasta afirmou que, “por precaução”, recomenda “a substituição do ibuprofeno por outros analgésicos.
  4. Usar máscaras ajuda?
    R.: As pessoas que precisam fazer a utilização de máscaras são os médicos, enfermeiros, paramédicos, ou seja, todas as pessoas que precisam lidar diretamente com infectados ou suspeitos. Os pacientes que apresentam sintomas como tosse e espirro também precisam usar para evitar qualquer tipo de contágio. Quem não apresenta nenhum tipo de vírus respiratório não precisa utilizar a máscara. Mas atenção: é importante notar que não se pode utilizar a máscara por muito tempo, porque a efetividade é reduzida uma vez que a máscara fica úmida e o vírus pode atravessar o material.

Acima de tudo, quem pode permanecer em casa e trabalhar através de home-office, faça isso! Vamos poupar as vidas dos nossos idosos, que são o grupo de maior risco.

Não se preocupe com as notícias e com fake-news. Busque sempre a verdade e aja com tranquilidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: